Emissão Fugitiva

A SECURITY realiza procedimentos para o Controle da Emissão Fugitiva em todo o território nacional. Para o monitoramento destas emissões fugitivas, são utilizados equipamentos e tecnologia de ponta. A metodologia utilizada neste processo é o “Método 21” (EPA Reference Method 21) que remete a utilização de um Analisador de Gases Portátil para determinação de COV (Compostos Orgânicos Voláteis), com características apropriadas, Intrinsecamente Seguro para operação em atmosferas explosivas e cuja Calibração é feita em função do fluído a ser medido.As emissões fugitivas estão relacionadas com as perdas de hidrocarbonetos provenientes de bombas, válvulas, agitadores, compressores, válvulas de alívio, pontos de amostragem e “open-end”. Cada um destes pontos pode representar uma pequena fonte de emissão. No seu conjunto, estas emissões são significativas e representam muito no contexto industrial, principalmente nos segmentos da indústria de petróleo e petroquímica.

O diagnóstico destas fontes requer levantamentos que compreendem o cadastro, identificação e monitoramento de milhares de pontos, em cada empresa.

Realizamos estes procedimentos para detecção e quantificação de vazamentos de gases e vapores (COV – Compostos Orgânicos Voláteis) em indústrias químicas e petroquímicas, bases e terminais de distribuição de combustíveis, possibilitando a implementação de programas de controle LDAR (Leak Detect and Repair).

Esse procedimento proporciona um inventário das emissões fugitivas de Compostos Orgânicos Voláteis (COV) em plantas industriais. Além da quantificação das emissões, o programa de detecção e controle de vazamentos – LDAR (Leak Detect and Repair) proporciona a melhoria das condições de saúde, segurança e higiene ocupacional do empreendimento e redução de perdas.

Modelagem da dispersão de poluentes na atmosfera é utilizada para avaliar alterações e impactos reais ou potenciais das emissões de poluentes atmosféricos de um ou mais empreendimentos na qualidade do ar do seu entorno, considerando ainda as condições meteorológicas da região. É uma poderosa ferramenta de gestão ambiental, que permite a geração de cenários de qualidade do ar ocorridos, ou futuros, possibilitando a verificação da contribuição de uma ou mais fontes nos níveis de poluentes atmosféricos de uma região de interesse.

Avaliação de Emissões Atmosféricas

As atividades industriais emitem, muitas vezes, POLUENTES ATMOSFÉRICOS em seus processos. O MONITORAMENTO das EMISSÕES ATMOSFÉRICAS visa manter a qualidade do ar, a saúde, a proteção ao meio ambiente e o atendimento às legislações vigentes. Visando garantir a saúde da população, tais emissões devem respeitar um limite determinado pelos órgãos ambientais responsáveis. O MONITORAMENTO das EMISSÕES ATMOSFÉRICAS de fontes estacionárias (chaminés, incineradores e lavadores de gás, entre outros) é realizado através da análise meticulosa dos parâmetros associados às emissões de determinada atividade.

O MONITORAMENTO das EMISSÕES ATMOSFÉRICAS em fontes fixas é um requisito legal com a finalidade o controle e recuperação da qualidade do ar, observados os limites de emissões de poluentes atmosféricos garantindo a proteção da saúde e o bem estar da população. As Resoluções CONAMA 382 e CONAMA 436 estabelecem limites máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas.

Deve-se implementar Plano de Monitoramento de Emissões Atmosféricas (PMEA) e elaboração de Relatório de Monitoramento de Emissões Atmosféricas (RMEA),  conforme procedimentos estabelecidos pela CETESB.

O PMEA é um documento que antecede a realização das amostragens, onde deve constar a descrição das operações a serem avaliadas. O PMEA deve ser encaminhado a CETESB para posterior execução das amostragens.

 

Amostragem de Chaminé

O objetivo principal é a determinação quantitativa e a identificação dos poluentes emitidos, no sentido de possibilitar o enquadramento das fontes de poluição atmosférica, aos padrões de emissões legais estabelecidos, bem como de fornecer importantes dados para a Indústria, que podem ser usados para a avaliação de aspectos econômicos, variações do processo industrial e da avaliação quanto à eficiência dos sistemas de controle instalados e em operação.

Realizamos monitoramento, ensaios, adequação em dutos e chaminés de fontes estacionárias de processos industriais e incineradores seguindo as normas da ABNT/CETESB/EPA

As emissões de um processo industrial devem ser avaliadas periodicamente por meio de determinação da concentração e quantidade de poluentes emitidos. Este procedimento é realizado por meio de determinações da concentração e quantidade dos poluentes emitidos pela chaminé ou dutos de um determinado processo industrial.

Estas medições são fundamentais para o cálculo da eficiência dos equipamentos de controle, parâmetros de projeto, informações para estudo de dispersão atmosférica, balanços de massa e verificação do atendimento de padrões de emissão.

Realizamos determinação das emissões de gases e Material Particulado (amostragem isocinética) de processos industriais e de incineradores, seguindo normas preconizadas pela NBR ABNT, US EPA e CETESB.

Monitoramos Emissões gasosas – Dióxido de Enxofre (SO2) – Oxido de Nitrogênio (NOx) Sulfeto de Hidrogênio (H2S) – Enxofre total (TRS e TS) – Monóxido e Dióxido de Carbono (CO e CO2), Hidrocarbonetos, Amônia NH3, Cloretos e Cloros (HCl e Cl2), Fluoretos F2, HF, névoas ácidas, mercúrio Hg metais pesados, dentre outros.

Os nossos serviços incluem determinação das emissões de gases na chaminé (O2, CO, NOx, SO2, CxHy) calibração e certificação do equipamento de medição online, emissão de componentes inorgânicos (cloro, HCL, HF, metal, vapor ácido), emissão de componentes orgânicos (dioxinas, furanos, solventes, PAH), medições de imissões (poluição do ar ao nível da população), medição de partículas de pó (pó total, pó respirável e distribuição do tamanho de partículas), medição taxa do fluxo e temperatura, aconselhamento técnico relacionado com redução de emissões, cálculos de dispersão atmosférica de acordo com os vários modelos.

Realizamos amostragem em incineradores hospitalares e industriais com calculo da EDR Eficiência de destruição e Remoção. Também atuamos com inventário de emissão de gases de efeito estufa GEE, de acordo com o protocolo do IPCC – Intergovernamental Panel on Climate Change, envolvendo todas as atividades de um empreendimento para os gases CO2, N2O e CH4, entre outros.

 

A SECURITY dispõe de equipamentos da mais alta tecnologia, dentre eles o detector de gases MIRAN SHAPPIRE sendo este o equipamento mais versátil disponível no mercado.

O espectrofotômetro por infravermelho da ao MIRAN SAPPHIRE a capacidade de medir e identificar com precisão centenas de gases através de vários comprimentos de onda.

O MIRAN SAPPHIRE permite que o gás detectado seja identificado, através da comparação com a biblioteca interna de curvas de centenas de gases pré-programados. Esta característica exclusiva permite a identificação de gases tóxicos em atendimentos emergenciais e avaliação de áreas contaminadas.

O espectrofotômetro MIRAN SAPPHIRE oferece excelente capacidade de medição para profissionais que necessitam medir uma grande quantidade de vapores e gases.

Características:

  • Permite o monitoramento de mais de 120 gases.
  • Ideal para consultores, engenheiros de segurança, agências regulamentadoras, pesquisadores e equipes de atendimento emergencial.
  • O filtro gerador de comprimento de onda tem um design exclusivo que permite a seleção rápida e precisa do comprimento de onda, separando-o de outros analisadores de gás.
  • Fácil de usar.
  • Seletivo.
  • Sensível o suficiente para detecção de sub ppm.
  • Pode ser atualizado.
  • Espaço de biblioteca definido pelo usuário para 10 aplicações de gás único e 10 de gás múltiplo.
  • Compensações em tempo real para temperatura, umidade, referência e pressão.

Especificações:

  • Ótica: Filtro Variável Linear (LVF) de 7.7 a 14.1; sete filtros de passagem de banda fixa 1,8, 3,3, 3,6, 4,0, 4,2, 4,5 e 4,7.
  • Pathlength: 0,5 M ou 12,5 M.

Software de Correlação Opcional ThermoMatch Spectrum:

  • Ajuda a identificar compostos aéreos desconhecidos;
  • Inclui 150 compostos industriais tóxicos comuns e pode ser modificado para incorporar uma biblioteca de usuários de centenas mais;
  • Permite que usuários industriais incluam todos os compostos específicos do local, aumentando a qualidade dos resultados;
  • Permite que os primeiros socorristas incluam compostos SARA Tier II para instalações críticas para ajudar em ações de contenção;
  • Oferece ótima velocidade de análise com correlação no local de compostos desconhecidos; os resultados no local eliminam a necessidade de análises laboratoriais caras e demoradas de amostras potencialmente em branco;
  • Salva arquivos de absorção de espectros com registro de dados para análise posterior e manutenção de registros;

Software ThermoConnect:

A interface de usuário gráfica baseada no Windows ™ incluída permite que os usuários do MIRAN SAPPHIRE transfiram, exibam, analisem e configurem dados do instrumento usando um computador.

SOP – Standard Operating Procedure:

Este procedimento operacional padrão (SOP) se refere a o uso, calibração e manutenção do Photovac Cromatógrafo a Gás Portátil 10A10. O Photovac O cromatógrafo 10A10 do gás é usado para o campo e triagem laboratorial de ar, gás do solo, água e solo amostras headspace para clorados e não clorados lcenos e hidrocarbonetos aromáticos até 1 a Intervalo de 20 partes por bilhão (ppb).

Estes são padrão (ou seja, normalmente aplicáveis) procedimentos operacionais que podem ser alterados ou modificados conforme necessário, dependendo das condições do local, equipamento limitações ou limitações impostas pelo procedimento ou outras limitações do procedimento. Em todos os casos, o procedimentos finais empregados devem ser documentados e associado ao relatório final.

A menção de nomes comerciais ou produtos comerciais não constitui endosso ou recomendação para uso.