PPR (Programa Proteção Respiratória)

A SECURITY conta com mais de 20 anos de experiência no mercado e com colaboradores qualificados para a realização do Programa de Proteção Respiratória.

O que é o PPR?

O PPR é um conjunto de medidas práticas e administrativas que devem ser adotadas por toda empresa onde for necessário o uso de respirador, obrigatório desde 15/08/1994.

Este item apresenta os requisitos mínimos de um PPR, bem como os pormenores de como preparar os procedimentos escritos que fazem parte do programa.
Antes de se utilizar um respirador, é essencial que seja estabelecido um PPR, por escrito, com os procedimentos específicos para o local de trabalho.
O programa deve ser implantado, avaliado e atualizado sempre que necessário, de modo a refletir as mudanças de condições do ambiente de trabalho que possam afetar o uso de respirador. O PPR deve ser compreendido por todos os níveis hierárquicos da empresa.

Todas as pessoas envolvidas no PPR devem ser competentes na sua área de responsabilidade dentro do programa e devem manter seus conhecimentos e treinamento atualizados, para poderem desenvolver com eficiência seus encargos.


Qual a finalidade?

O propósito do PPR é proteger o colaborador e proporcionar o controle de doenças ocupacionais provocadas pela inalação de poeiras, fumos, névoas, fumaças, gases e vapores.

Além disso, faz se necessária, recomendações para elaboração, implantação e administração de um programa de como selecionar e usar corretamente os equipamentos de proteção respiratória.

Na elaboração deve conter essencialmente informações sobre os riscos respiratórios, procedimento de seleção do respirador, treinamento, escolha correta da peça para completa vedação no rosto, recomendações ao uso, etc.


O que deve conter?

O programa de proteção respiratório – PPR deve contemplar, no mínimo, os seguintes itens:

  • Administração e os procedimentos do programa.
  • O monitoramento apropriado e periódico das áreas de trabalho e dos riscos ambientais a que estão expostos os trabalhadores.
  • O uso adequado dos mesmos levando em conta o tipo de atividade e as características individuais do trabalhado.
  • A orientação ao trabalhador para deixar a área de risco por motivos relacionados ao equipamento.
  • A indicação do equipamento de acordo com os riscos ao qual o trabalhador esteja exposto.
  • O uso individual do equipamento de acordo com os riscos ao qual o trabalhador esteja exposto.
  • O uso individual dos equipamentos, salvo em situações especificas de acordo com a finalidade dos mesmos.
  • Os critérios para a seleção dos equipamentos de proteção respiratória.
  • As características físicas do ambiente de trabalho
  • A instrução e o treinamento do usuário sobre o uso e as limitações do EPR.
  • A guarda, conservação e a higienização adequada dos equipamentos.
  • Uso de respirador para fuga, emergências e resgates;
  • Qualidade do ar/gás respirável;
  • Revisão do programa;
  • Arquivamento de registros.

A maioria desses elementos deve ser detalhada na forma de procedimentos operacionais escritos.


Avaliação de Riscos Respiratórios

A avaliação dos riscos respiratórios é essencial para o processo de seleção e uso do respirador adequado e deve ser realizada por pessoa competente. A avaliação completa dos riscos inclui três etapas:

  1. Avaliação dos perigos no ambiente;
  2. Avaliação da adequação do respirador à exposição;
  3. Avaliação da adequação do respirador à tarefa, ao usuário e ao ambiente de trabalho.

A análise dos parâmetros contidos nessas etapas deve ser realizada antes de serem iniciadas as tarefas, sejam de rotina ou de emergência, e repetida quando as condições de trabalho se alterarem.


Avaliação da Adequação do Respirador à Exposição

Respirador adequado à exposição a agentes químicos é aquele que reduz a exposição do usuário a valores abaixo dos valores considerados aceitáveis, como, por exemplo, o Limite de Exposição Ocupacional (LEO). Para a seleção do respirador com nível de proteção adequado à exposição, é necessário conhecer o Fator de Proteção Mínimo Requerido (FPMR) para o respirador.

Uma vez determinado o FPMR, a seleção é feita escolhendo um respirador que possua Fator de Proteção Atribuído (FPA) maior do que este valor (ver Quadro 1).

Para trabalhos em atmosferas deficientes de oxigênio, somente podem ser selecionados respiradores de adução de ar.


Qual a divisão dos EPI’s pela Norma Regulamentadora?

De acordo com a NR-6, os EPI para Proteção Respiratória estão divididos em:

D.1 Respirador purificador de ar não motorizado
D.2 Respirador purificador de ar motorizado
D.3 Respirador de adução de ar tipo linha de ar comprimido
D.4 Respirador de adução de ar tipo máscara autônoma
D.5 Respirador de fuga


Treinamento para Colaboradores

Com a finalidade de garantir o sucesso no uso dos respiradores, os usuários, o supervisor, a pessoa que distribui o respirador, o condutor do ensaio de vedação, o administrador do programa e as equipes de emergência e salvamento devem receber treinamento adequado e reciclagem periódica. O treinamento deve ser realizado por um profissional com experiência e treinamento apropriados. O conteúdo e a  frequência do treinamento devem ser compatíveis com a complexidade do respirador e com a extensão  os riscos à vida/saúde a que o usuário está exposto.


É recomendável a renovação anual ou após algum evento que indique a necessidade de atualização do laudo.